P Política

Previous Next

Após Sentença da Cassação do Mandato, Apoiadores Organizam Movimento Em defesa do Prefeito Rafael Machado

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Na tarde de quarta-feira, 09 de junho, todos foram surpreendidos com a decisão judicial da juíza Cláudia Anffe Nunes da Cunha, da 60ª Zona Eleitoral de Campo Novo do Parecis, que decretou a inelegibilidade do atual prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado e de seu vice Antônio Brolio (ambos do PSL) por oito anos.

A sentença de cassação deu-se no dia anterior, terça-feira - 08 de junho, por uso da máquina pública na campanha eleitoral anterior, o que segundo a magistrada, descumpre o princípio da impessoalidade por meio da aplicação das publicações oficiais para autopromoção. A utilização da imagem do prefeito na época, entre 2017 e 2020, em vídeos de ações da prefeitura comprometeu, segundo ela, o pleito eleitoral, desiquilibrando a disputa dos demais concorrentes.

“Fomos acusados, resumidamente, por ‘promoção pessoal’, ou seja, cada veículo que compramos, cada obra que inauguramos e demos a publicidade, publicidade essa exigida em lei, inclusive como forma de transparência não deviam ser mostrados. Parece que mostrar para o cidadão onde estava sendo empregue o recurso público, os impostos que cada um de nós pagamos, é promoção pessoal. O prefeito, então, não pode apresentar onde está sendo empregue o dinheiro público, essa é a visão da justiça hoje.”, declarou Rafael Machado, em entrevista.

 

Apoiadores de Rafael Machado afirmam que a decisão judicial é um ato de retaliação pelo ocorrido no final de março deste ano, quando o então prefeito desacatou decisão judicial de Lockdown para o município e permitiu que comércios se mantivessem de portas abertas, visando reduzir o impacto econômico causado pela pandemia da Covid-19 no município. “Podem vir me prender, autorizo a publicar. Lockdown não traz resultado efetivo. Nós já vimos isso no ano passado. Eu não vou emitir decreto pelo fechamento. Quero que me provem com dados científicos que lockdown diminui casos de Covid-19. O que tem que acabar são as festas clandestinas, aglomeração em beira de rio.”, declarou Rafael na época.

WhatsApp_Image_2021-06-11_at_08.32.04_1.jpeg

(Imagem que circula pelas mídias sociais, convocando as pessoas para defender o movimento.)

 

Com isso, tais apoiadores organizaram um movimento de manifestação em apoio a Rafael, no fim da tarde de sexta-feira, 11 de junho. Bandeiras como “Diga não à retaliação, por ter dito não ao fechamento do comércio” e “Comércio agora é a sua vez, venha para apoiar” serão defendidas pelo movimento.

Lembremos que, Rafael já estava em seu segundo mandato e havia sido reeleito representante do Centro-oeste na CNM (Confederação Nacional dos Municípios), pela segunda vez consecutiva, em maio desse mesmo ano. Tornando-se, então, representante do Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul, por vir se destacando como uma liderança importante na defesa dos interesses das cidades do Centro-Oeste. “Cheguei a ouvir de um amigo da CNM, que é a primeira vez, na história do país que um prefeito é afastado por trabalhar demais e mostrar o que fez. Mais uma vez observamos que o poder judiciário, está acima da vontade popular e acima, até mesmo, da democracia.” O mandato iria até 2024, e buscava lutar pelo municipalismo no Brasil.  

“Para recorrer, há custos e se tem uma coisa que jamais alguém comentou com relação ao nosso governo, foi a seriedade desse governo. Então se tivesse que cobrir custos de um possível recurso teria que ser do meu salário de prefeito e temos que avaliar, porque eu falo para os amigos, eleitores, moradores de Campo Novo, eu não sei roubar, eu não permito que roubem, então fica difícil cobrir custos de um possível recurso judicial sendo que o meu contrato com a população camponovense era para prestar serviços por mais 4 anos.”, salientou Rafael.

WhatsApp_Image_2021-06-11_at_08.32.03.jpeg(Imagem espampa perfis de apoiadores.)

O movimento tem ganhado corpo nas mídias sociais e, com isso, a revolta popular e de demais entidades do município ganha mais proporção. A manifestação contra a decisão judicial está marcada para as 17 horas e percorrerá as principais ruas do município.